Para estimular o etanol, crédito para o açucar vai acabar

Cadastrado em 25/06/2011

A produção de açúcar não terá um único centavo de investimento público. O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, informou ao "Estado" que o crédito oficial para o açúcar vai acabar, como parte da política de incentivo à produção de etanol. "Não somos contra o açúcar, mas somos mais a favor do etanol neste momento", disse o ministro.

Ajuda. A Petrobrás deve ampliar sua participação na produção de etanol, diz Edison Lobão

"É uma questão estratégica de atender ao interesse nacional de produzir etanol, para que não haja desabastecimento e os preços não se elevem", acrescentou.

A decisão reflete a preocupação do governo de não permitir que se repita em 2012 o cenário do início deste ano, em que a escassez do produto pressionou o valor dos combustíveis, colaborando para acelerar os índices de preços, o que forçou o Banco Central a elevar os juros. O ministro afirma que não chegou a haver desabastecimento, "nem haverá", mas admite que os preços subiram muito, com repercussão na inflação.

O governo também vai abrir uma linha de crédito no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para atender os produtores de etanol "na medida exata da necessidade desses produtores". Não haverá limite de recursos pré-fixado para garantir o aumento da produção do etanol.

Outra medida do governo será a formação de um estoque regulador de 30 dias. O governo acredita que um mês é prazo suficiente para manter a demanda sob controle. Os distribuidores é que têm de estocar, mas hoje eles só têm capacidade para armazenar por cinco dias, enquanto a capacidade de estocagem da Petrobrás é de 15 dias.

Hoje, só os produtores é que têm condições de estocar por seis meses o etanol. Diante disso, a solução do governo para contornar o problema da falta de estrutura física dos distribuidores é precisamente o uso da estrutura dos produtores.

Custo. Como tudo tem custo, uma segunda linha de crédito será aberta para que o BNDES também financie os distribuidores na compra do produto já com o compromisso de estocagem por um mês. Os produtores, por sua vez, também terão financiamento garantido para a renovação do canavial, desde que seja com o compromisso de produzir etanol, e não açúcar.

Na verdade, a primeira providência do governo foi determinar à Petrobrás que elevasse de 5% para 12% sua participação na produção de etanol brasileira, o que vai começar com a organização de novas destilarias. Mas essa é uma medida para médio prazo, já que a estatal vai precisar de cerca de dois anos, na avaliação do Ministério de Minas e Energia, para comprar áreas, fazendas, equipamentos, plantar cana e começar a produzir.

Este ano, a estatal deve escolher os locais de plantio. "Recursos não faltarão e a Petrobrás tem a instrução de promover a elevação de sua participação na produção do etanol com toda a urgência", afirmou Lobão.

No auge da crise de preços do álcool, no início do ano, o governo cogitou taxar as exportações de açúcar para forçar um aumento na produção de etanol. A medida foi abortada depois que se percebeu que seria um "tiro no pé", pois o Brasil corria o risco de perder participação no mercado internacional de açúcar, sem a garantia de que a produção de etanol seria aumentada.

Fonte: O Estado de S.Paulo / Christiane Samarco
Área do Distribuidor
Logo Noma

telefones Anfir

Copyright - 2011 - Desenvolvido por InovaClick